O Rio, o patrimônio impessoal e a dignidade rebelde

No último final de semana, o título de Patrimônio Mundial foi concedido à cidade do Rio de Janeiro, tida como referência internacional de “paisagem cultural urbana”. A despeito das comemorações puxassaquísticas fornecidas pelo glorioso jornalismo brasileiro, fiquei me perguntando qual é o real impacto deste fato na vida de quem mora no Rio. Evidente que o Rio é lindo, e vou poupar a leitora e o leitor de repetir a mesmice estupefata de suas belezas naturais; tem quem faça isso muito melhor do que eu e acho que a experiência é muito mais relevante do que a retórica. Alguns diriam que não se resume às paisagens, mas também às construções humanas: o Aterro do Flamengo, as obras de Niemeyer espalhadas pela cidade, as construções históricas do Centro da cidade. Ainda assim, essa visão me parece incorrer de um erro crasso: patrimônio da humanidade que não tem nos seres humanos a sua principal riqueza, está fadado a celebrar um mero cenário, e não um mundo cheio de vida e criação.

E neste quesito, esta cidade tão lindamente provida de espaços marcantes ainda prossegue deixando de valorizar a sua principal riqueza: as brasileiras e brasileiros que têm nas suas vidas a síntese da história destes espaços. É muito triste que a cultura do samba, da resistência das favelas, do funk dos morros, do trabalho nas condições diversas e adversas, da mobilidade na cidade, seja uma vida que a cidade esconde com vergonha, pelo desrespeito com que trata as pessoas que aqui moram e trabalham. O mundo da propaganda de governos é um Rio tão distante da realidade, que é preciso de passaporte para entrar; não é este o Rio em que eu e tantas outras pessoas moram.

Ainda é uma cidade em que muitos são assassinados por serem pretos, pobres ou quase pretos de tão pobres, em que o poder das milícias fica acima das mínimas liberdades democráticas, em que os serviços públicos deterioram a olhos vistos, no mesmo ritmo em que as isenções de impostos para grandes corporações crescem. Nestas condições, uma palavra sintetiza bem a luta diária de cariocas da gema, radicados ou adotados: dignidade.

Essa palavra, tornada célebre em meio aos anos 1990 como a principal bandeira levantada o movimento zapatista mexicano, não é qualquer coisa. Ela representa o ser sujeito de transformação, que em tempos de desrespeito flagrante, exige que ela se manifeste ativamente. Hoje em dia não é possivel ter dignidade passivamente, ser digno se acomodando. A dignidade como conquista exige rebeldia, indignação, atitude, ativismo, ou seja, exige amor à humanidade. Que patrimônio pode ser mais rico do que um povo que se sabe digno porque luta?

Fico feliz de ver que estudantes, professores, artistas, religiosos, intelectuais, trabalhadores dos mais diversos ramos, defensores de direitos humanos, feministas, militantes do movimento negro, cadeirantes, pescadores, e tantos outros, ao apostarem na construção da Primavera Carioca, estão construindo a dignidade rebelde como o maior patrimônio do Rio. Essa construção nenhuma eleição, título da ONU ou megaevento esportivo pode tirar de nós.

Atividade sobre Saúde do 2o ano G: roteiro

Boa noite, 2o ano G.

Segue abaixo o roteiro para realizar a atividade de levantamento sobre a situaçãp de saúde do município de São Paulo e seus bairros. Siga os passos abaixo e pergunte à professora as dúvidas que tiver.

1. Após entrar no site http://infocidade.sp.gov.br, no link “Saúde” da coluna da esquerda, procure a informação “Óbitos dos Residentes por Causas”. Escolha a opção “baixar XLS” do ano de 2010, para abrir o arquivo no formato planilha de dados.

2. Repare no formato e disposição dos dados. A sua primeira tarefa é inserir uma nova planilha. Esta planilha, que estará em branco, será o seu “caderno virtual”. Escreva seu nome completo e número na primeira linha.

3. A sua primeira tarefa é analisar os dados do município de São Paulo (MSP). Quais são as 4 principais causas de óbito no município? Escreva na planilha nova (não use símbolos, e sim escreva por extenso as causa identificadas).

4. Classifique os dados em ordem decrescente do número total de óbitos (peça a ajuda da professora caso não consiga realizar a tarefa). Repare que os nomes em negrito são sempre os mais numerosos. Isso ocorre porque se referem a subprefeituras, que normalmente congregam mais de um bairro/distrito. Escreva na planilha nova dentre todos os bairros (não subprefeituras), em qual colocação está Santana quanto ao número de óbitos. Aproveite para marcar a linha referente ao bairro de Santana com outra cor.

3. Escreva as 4 principais causa de óbito do distrito de Santana no seu “caderno virtual”.

4. Escolha qualquer outro bairro da planilha e marque com outra cor. Escreva em seu “caderno virtual” qual colocação está este bairro quanto ao número de ónitos. Liste as 4 principais causas de óbito este bairro.

5. Cada arquivo deverá ser salvo com o nome do aluno. Após salvar o arquivo, envie para o email da professora: mai.biologia@gmail.com . Só serão aceitos os arquivos enviados até o horário final da aula. Arquivos enviados após o final da aula não serão aceitos para fins de atribuição da nota.

Não esqueça: na dúvida, pergunte!!!

VITÓRIA! Cursos Técnicos da prefeitura de SP garantidos!

Olá a todas/os que enviaram email exigindo posicionamento sobre os cursos do Derville. Segue abaixo o email do Secretário de Educação garantindo oferecimento até 2012. E hoje fomos chamados para uma reunião com a Diretora Regional que reafirmou que os cursos serão abertos no segundo semestre e até 2012. Enquanto isso caminharemos para a reformulação do curso para garantir seu oferecimento sempre que houver demanda.

Isso mostra que ainda temos força se fizermos uma ação organizada, e que estamos de olho. PARABÉNS A TODOS NÓS!

Professora Maíra T Mendes

———- Mensagem encaminhada ———-
De: Alexandre Schneider <sme01@me.com>
Data: 17 de junho de 2011 12:02
Assunto: Re: Cursos Técnicos ameaçados em escola da prefeitura de SP
Para: José Antunes Ferreira <jantunes_adv@ig.com.br>
Cc: Maíra Tavares Mendes <mai.biologia@gmail.com>, gabinetedoprefeito@prefeitura.sp.gov.br, smegab@prefeitura.sp.gov.br, claudiaoliveira@prefeitura.sp.gov.br, smedrejacanatremembeadm@prefeitura.sp.gov.br, educacao@camara.sp.gov.br, claudiofonseca@camara.sp.gov.br, vereadoralfredinho@camara.sp.gov.br, netinhodepaula@camara.sp.gov.br, contato@atillarussomano.com.br, carlosapolinario@camara.sp.gov.br

Prezado José Antunes:

Não há hipótese deste curso deixar de existir este ano e no ano que vem.
Sem mais.
Alexandre Schneider

Secretário Municipal de Educação

Cursos Técnicos ameaçados em escola da prefeitura de SP

Mais uma vez, eis que chegamos a um impasse em relação aos Cursos Técnicos ministrados na EMEFM Derville Allegretti. Pra quem não sabe, essa é a única escola municipal que oferece cursos técnicos no município de São Paulo, gratuitos, sem vestibulinho e sem taxa de inscrição. Entretanto, isso não parece ser uma preocupação da Prefeitura e nem do Conselho Municipal de Educação.

Todo semestre é uma luta pra conseguir abrir as inscrições. São mais de 200 vagas no período noturno nos seguintes cursos: Técnico em Administração, Técnico em Marketing, Técnico em Prótese Dentária e Contabilidade (a escola oferece ainda, no período matutino, Curso Normal em Nível Médio, para formação de professoras/es até o 5o ano do Fundamental). O critério? Sorteio. Isso mesmo, todos tem chances iguais de obter uma vaga pública nestes cursos.

Entretanto por uma compreensão equivocada da Lei que exige diploma de graduação em Contabilidade para assinar balanços, o Conselho Municipal de Educação orientou a suspensão de matrícula do Curso Técnico Contabilidade (que não forma contadores, e sim contabilistas, e portanto não teriam problema algum em continuar exercendo sua profissão, mas sem assinar balanços).  E por conta de uma outra compreensão equivocada, não aceita validar os estágios do Curso Técnico em Prótese Dentária (que não é uma profissão de nível superior, logo não tem registro no CRO).

Estamos na segunda metade do mês de junho e nada de autorização para os cursos abrirem. Foram uma série de audiências, ligações, abaixo-assinados para as diversas instâncias da Secretaria de Educação, até o Twitter do Secretário, e até agora nada. Aliás, chegou a haver nesta semana uma divulgação na escola de que poderia abrir o curso, mas no dia seguinte, não podia mais. Alunos, pais e professores estão perplexos e apreensivos.

Enquanto isso, milhares de pessoas podem perder essa oportunidade. Mas não ficaremos calados. Por favor nos ajude repassando a informação a todos os conhecidos. Os emails dos vereadores que fazem parte da Comissão de Educação e das instâncias da Secretaria são esses:

gabinetedoprefeito@prefeitura.sp.gov.br

smegab@prefeitura.sp.gov.br

sme01@me.com

claudiaoliveira@prefeitura.sp.gov.br

smedrejacanatremembeadm@prefeitura.sp.gov.br

educacao@camara.sp.gov.br

claudiofonseca@camara.sp.gov.br

vereadoralfredinho@camara.sp.gov.br

netinhodepaula@camara.sp.gov.br

contato@atillarussomano.com.br

carlosapolinario@camara.sp.gov.br